Nova Ponte do Centro: mais transparência, por favor

21 de setembro de 2017

Jornalista, editor do Cidade Plural
Montagem: Divulgação/Prefeitura

A Prefeitura de Blumenau deveria convocar uma entrevista coletiva para apresentar a sua versão sobre todos os pontos questionados em relação a construção da nova ponte do Centro: Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV), Estudo de Impacto Ambiental (EIA), um estudo sobre as mudanças no transporte coletivo (já que uma das pistas será corredor de ônibus), além das questões paisagísticas da curva do rio e as desapropriações nos dois lados da ponte.

Uns defendem a ponte proposta pelo Executivo, outros defendem que deve ser feita a ponte entre as ruas Rodolfo Freygang e Chile, outros defendem ainda que nenhuma ponte deve ser construída na região Central. Seja lá, qual a decisão final a ser tomada, uma nova obra precisa de explicações, documentos, uma justificativa para ser feita. E até agora não foram respondidos os questionamentos feitos pelos moradores da Ponta Aguda, Instituto de Arquitetos do Brasil, curso de Arquitetura e Urbanismo da Furb e outras entidades e técnicos da área.

É preciso transparência. Estamos falando de uma prefeitura e não de uma empresa privada. O Executivo Municipal precisa explicar:

  • Há um Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV)? Se a resposta for sim, disponibilizem o documento na internet. Se a resposta for não, expliquem por que não foi feito?
  • O Estudo de Impacto Ambiental (EIA) foi feito a partir de uma versão anterior do projeto, como afirmam os contrários a ponte? Se o projeto foi atualizado, porque o estudo não ganhou uma nova versão?
  • Qual a ideia com um corredor de ônibus no sentido Ponta Aguda-Centro? Quais linhas utilizarão essa ponte? Se a resposta for os troncais 11 e 17 e a linha 508 surge outra pergunta: esses ônibus não passarão mais pelo Centro (Beira Rio e 7 de Setembro) até chegar ao Terminal Fonte? Os usuários dessas linhas não querem ir ao Centro ao invés de irem direto ao terminal?

Viaduto da Mafisa

Blumenau tem um histórico ruim com obras mal feitas, feitas às pressas, que trouxeram mais transtornos que soluções. Lembramos no Viaduto da Mafisa, a obra que prometia resolver os problemas da ligação entre as Itoupavas e o resto da cidade. O resultado foi uma gambiarra que ignorou o fluxo de veículos Rua Dr Pedro Zimmermann > Via Expressa, fazendo com que a maioria dos carros continuasse precisando atravessar a BR-470 por baixo.

Casos como da Mafisa mostram que não é só sair construindo pontes, viadutos e obras de grande porte achando que sempre vai ajudar. Melhor discutir bem o assunto agora do que termos um novo elefante branco.

A Prefeitura garante que a nova ponte será boa para a cidade? Que prove! Façam uma coletiva, uma audiência pública, apresentem a proposta, escutem os questionamentos e respondam eles. As audiências feitas para essa ponte há alguns anos era a partir de um projeto muito diferente do que foi licitado, não pode ser usada mais.

A falta de transparência levará um número maior de pessoas a ser contra. Talvez leve a suspensão da obra.