Feirinha da Servidão Wollstein completa três anos

10 de dezembro de 2016

Jornalista, editor do Cidade Plural

E até estranho receber no email do Cidade Plural um release sobre a edição de dezembro da Feirinha da Servidão Wollstein, que está completando três anos. Eu cogitei escrever um texto jornalístico sobre a feira: mas no meu caso não é possível falar do evento de forma imparcial, isenta. Saber que a Feirinha, que ocorre amanhã o dia inteiro, está mais que consolidada, com mais de 100 feirantes, é de um orgulho para quem ajudou a criar.

Muitos já sabem, mas vale a pena contar como a Feirinha começou: uma reunião em uma terça-feira no fim de novembro no Butiquin Wollstein. Queria uma data para fazer um evento de divulgação do Botequim Literário, unindo artes plásticas e música. O Leo Laps tinha um domingo reservado para o show do Clube dos Corações Partidos, mas um problema impediu que a banda tocasse no dia. E o Fábio Wollstein queria usar a sua “servidão” para eventos durante o dia. Uma noite de conversas e juntamos as três ideias: surgia ali a Feirinha da Servidão Wollstein.

Organização? Levamos menos de duas semanas para preparar tudo. Chamamos uns amigos para tocar, colocar algumas coisas para vender. O Jean Errado cuidou da parte visual da divulgação e também expôs a sua arte. Tudo no improviso, fizemos um evento pequeno, mas que todos os presentes gostaram e muito.

A partir de 2014 a feira foi crescendo. Primeiro no estacionamento do Germano e no fim de 2014 fomos para a rua, tomando um trecho da Floriano Peixoto. Os feirantes vieram e foram, mas uma grande parte ficou e ajudou muito o evento.

Devagar, com muita calma, fomos crescendo. Os arquitetos Guilherme Weissheimer e Júlia Lyra estiveram na organização conosco em 2015. E no início de 2016 o Diego Lottin e a Bruna Zago da Microponto Produções chegaram para ajudar ainda mais.

Hoje a Feirinha chega aos três anos nas mãos da Microponto. O Fábio continua com atrações na Servidão do butiquin e o Leo Laps se tornou um feirante na última edição. O autor aqui deixou a organização no mês de setembro, mas continua com saudades e com orgulho desta feira que já é da cidade.

Amanhã eu não estarei presente, mas desejo vida longa a Feirinha!

LEIA TAMBÉM – A FEIRINHA COMO ECONOMIA