Editorial: o Colmeia vai muito além de um evento artístico

25 de agosto de 2017

Jornalista, editor do Cidade Plural

Eu poderia ter feito uma matéria sobre o Colmeia para o Cidade Plural. Mas isso não faria muito sentido, pois sou um dos mais de 300 envolvidos no coletivo de artes. Não sou um artista, sou jornalista, mas um entusiasta das artes, um leitor que admita a Literatura e arrisca um conto ou uma crônica como um hobby.

Mesmo que não tivesse o Botequim Literário, estaria envolvido no Colmeia. Porque o coletivo é definitivamente a coisa mais importante que existe no cenário artístico blumenauense. É um sonho que o Clóvis Truppel teve, uma ideia anárquica levada adiante por pessoas tão diferente nos últimos anos.

O Colmeia levará 140 atrações para um espaço privado, pois Blumenau não possui um teatro público. É uma oportunidade do blumenauense conhecer a produção artística local sem pagar um centavo por isso e ainda usufruir de um cartão postal do município, um ícone da cultura.

Mas o Colmeia vai além: o Colmeia é a materialização de uma utopia. É a prova que uma ação tão grandiosa pode ocorrer de forma democrática ao extremo, com todos participando, sem um chefe, sem um dono. É uma prova que a coletividade vale a pena. Quando aderi ao Colmeia em 2015, não entendia no começo como aquilo poderia dar certo. Desapego a vaidade, respeito ao próximo e consciência coletiva são os segredos da organização.

Muitas cidades promovem viradas culturais, eventos de grande porte patrocinados e organizados pelo poder pública. Nada contra, muito pelo contrário, palmas para os gestores públicos. Mas a independência do Colmeia é algo fascinante, a ser admirado.

O Colmeia começa no sábado às 9h e vai até às 23h e no domingo das 10h às 22h. São 26 horas de programação. Tire uma parte do final de semana e prestigie a arte blumenauense. Vale a pena. A programação está completa no www.coletivocolmeia.com.br, desenvolvido e hospedado junto ao Cidade Plural.

Prestigie!