14/julho/2016

29 Fitub: opressão, protestos e preconceito marcam o festival

Peças trataram de temas próximos e protestos ao fim dos espetáculos seguiram um padrão


Jornalista, editor do Cidade Plural

A tensão vivida nos últimos meses no país com o aumento do pensamento radical conservador, a ampliação dos casos de homofobia, a tentativa de fechar o Ministério da Cultura e as agressões contra as políticas públicas para Educação e Artes em diversos estados e municípios brasileiros, além da União. A 29 edição do Festival Internacional de Teatro Universitário de Blumenau (Fitub) ocorreu em um clima de apreensão na classe artística, um clima mostrado nos espetáculos apresentados, nos manifestos ao fim das peças e em casos absurdos contra artistas que envergonha Blumenau.

Todos os espetáculos da Mostra Nacional Universitária trataram de algum dos temas a seguir: preconceito, opressão, racismo, homofobia, violência, depressão. Comédia somente em peças da Mostra Blumenauense de Teatro na Escola e na Mostra Íbero Americana Pascoal Carlos Magno, com peças estrangeiras.

Todas as peças também terminaram com a leitura de algum manifesto. Entre os temas citados, o sucateamento da educação pública em São Paulo, o deprezo do poder público com a classe artística (um deputado pastor chamou todos de vagabundos) e o governo federal interino, que em seu primeiro ato fechou o Ministério da Cultura (decisão revogada posteriormente, por pressão). Fora Temer ou “não reconhecemos este governo” foi a mensagem final em cada peça apresentada.

Atores e diretores procurados pelo Cidade Plural explicaram que não se trata apenas de um movimento no Fitub, mas em todo o país. “É um consenso entre os grupos de teatro o repúdio ao governo interino”, afirmou um diretor blumenauense.

Homofobia

O espetáculo Corpus – Área de Silêncio, do Teatro de Gomorra da USP, tinha o preconceito e a homofobia como temas principais. E foram os atores do grupo os primeiros a sofrerem com a homofobia na cidade. No dia anterior a sua primeira apresentação, o elenco foi alvo de cusparadas na Rua São Paulo.

“O Fitub existe há quase 30 anos e ninguém nunca viu tanta violência. A cidade sempre abriu as portas para o festival, esse ano tivemos vários relatos dos atores de fora sobre manifestações de preconceito”, comenta o diretor e ator Roberto Marauer.

Integrante do coletivo LGBT blumenauense Liberdade, Lenilso Silva acompanhou boa parte do festival e também falou do assunto. “Os casos registrados mostram a importãncia e a necessidade de falar sobre a homofobia nos espetáculos. Foi vergonhoso”, declarou.

Os melhores

Isso é um Convite é um dos espetáculos mais elogiados. FOTO: Maíra Barillo/divulgação
Isso é um Convite é um dos espetáculos mais elogiados. FOTO: Maíra Barillo/divulgação

Dos sete espetáculos concorrentes na Mostra Nacional Universitária, duas tiveram maiores elogios do público procurado pelo Cidade Plural. Entre atores, diretores e demais amantes do teatro, os espetáculos “Isso é um Convite” da UFRJ e “Zecas de uma Cesta Só” da UFPA (Belém) despontam como favoritos para conquistar o prêmio de melhor espetáculo.

A cerimônia de encerramento e a premiação ocorrerá nesta quinta-feira (14) à noite no Teatro Carlos Gomes.

Giovanni Ramos
Jornalista, editor do Cidade Plural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *