Desacelera Blumenau

15 de junho de 2017

Arquiteto e urbanista. Professor da Furb
FOTO: Jaime Batista da Silva

Uma decisão singela, simples e inteligente nos devolveu a esperança na possibilidade de que a Prefeitura acredita e está comprometida na construção de um novo modelo de cidade para as pessoas. Padronizar a velocidade máxima permitida em todas as vias centrais em 50km/h, diminuindo o risco de morte em atropelamentos para apenas 20% e assumindo uma postura clara a favor da vida e da humanização de nossas ruas merece ser aplaudido de pé, principalmente se considerarmos que isto foi feito sob coordenação de uma equipe técnica competente, embasado em referências internacionais, estudos e legislação nacional e acúmulo da experiência local.

Mas alguns vão mencionar a polêmica blumenauense daqueles que são contra. A participação cidadã e processos de construção coletiva, debates, polêmicas e discordâncias são saudáveis e fundamentais para qualquer democracia. É fundamental que a Prefeitura ofereça canais, eventos, metodologias e instrumentos permanentes, eficientes e efetivos de participação popular, mas esta participação não pode se dar ao sabor dos ventos ou apenas da opinião dos “leigos”, é preciso que esteja embasada num ideia maior, uma bandeira, uma direção geral que nos servirá de referência, também debatida e construída com toda a sociedade.

Esta direção, em minha opinião, deve ser uma cidade para as pessoas, com prioridade para as pessoas, para a natureza, para as águas, para a bicicleta, para o transporte coletivo e novas tecnologias e empreendimentos inovadores de mobilidade. Um novo modelo de cidade que permita mais encontros, trocas, ócio, ideias, inovação, caminhar, pensar, sonhar e ser feliz. A partir daí me parece que a decisão de padronizar a velocidade em 50km foi acertada, além disso os especialistas sabem que velocidades menores e constantes e estáveis permitem sempre uma melhor fluidez dos veículos, melhorando o sistema como um todo.

Aqui entra o momento em que o conhecimento técnico e estudos comprovados se sobrepõe ao achismo de alguns. Infelizmente estamos ainda saíndo de uma cultura do “deus” carro, onde todas as nossas decisões e formas de pensar se baseavam na sua lógica, inclusive o planejamento urbano e os investimentos públicos prioritários. Vivemos uma transição para o século XXI e cidades melhores. Estamos reaprendendo a usar as cidades a nosso favor e sinto que a Prefeitura de Blumenau está começando a perceber isso.

Faltam muitos passos para chegarmos no destino, mas nos anima saber que estamos na direção correta e dando os primeiros e humildes passos…